quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Quanto muito deixou de dever a "off-shores"… !!!

Record, 2 de Maio 2003
"Ronald Garcia será jogador do Benfica. O médio boliviano assinou um contrato de cinco épocas com os encarnados e deverá ser oficialmente apresentado no decorrer da próxima semana. Depois de Alex, do Moreirense, este é o segundo reforço garantido pelo clube da Luz tendo em vista o reforço da equipa para a próxima temporada. Garcia veio para Portugal há duas épocas. Chegou a estar comprometido com o Benfica, mas acabou por assinar pelo actual líder do campeonato da II Liga. Esta aquisição, tal como sucedeu com Peixe e Andersson, que entretanto rumou ao Qatar, resulta das boas relações entre os dois clubes, até porque Luís Filipe Vieira, actual presidente da sociedade desportiva para o futebol dos encarnados, foi durante muito tempo presidente do Alverca. O jogador boliviano, de 22 anos (17/12/80), é internacional e veio do Bolívar. Na primeira época em Portugal efectuou quatro jogos completos e 16 incompletos, num total de 874 minutos. Esta temporada não começou da melhor forma para Ronald Garcia. Fez apenas cinco jogos completos, curiosamente todos nas últimas cinco jornadas. De resto, só na fase final da temporada é que começou a ser utilizado com alguma regularidade. Até à 22ª jornada participou apenas em dois jogos. No total, Garcia, um médio-centro que tem jogado descaído sobre o lado direito e ganhou influência nos últimos encontros, soma 10 jogos e dois golos marcados.
"Record, 2 de Maio de 2003"
O Benfica confirmou hoje a notícia avançada pelo Record que dá conta da contratação de Ronald Garcia. O médio boliviano do Alverca vai, no entanto, ser emprestado, segundo informou o director de Comunicação encarnado, João Malheiro.
"Record, 3 de Maio de 2003
Camacho: "Sim, conheço o Ronald Garcia. Vi no FC Alverca. Mas isso é de menos. Se ficar no Benfica farei o plantel e decidirei quem vem e quem não vem. Se não ficar, quem estiver cá ou o Benfica, fará o plantel. Tão simples como isto. Não tenho opinião sobre ele, acho que já era do clube."Record, 3 de Maio de 2003"Há dois anos o director-geral da SAD benfiquista, António Simões, observou um jovem boliviano no West Ham e gostou do que viu. Ronald Garcia, então com 20 anos, estava à experiência naquele clube inglês, e acabou por rumar a Portugal, trazendo na bagagem um pré-acordo de cinco anos com o Benfica.Contudo, nunca chegou a vestir de vermelho. Tem estado no Alverca e só agora os encarnados formalizaram um acordo por três anos com este médio sul-americano, que todavia vai continuar fora da Luz, emprestado, provavelmente ao Alverca. Desde que chegou a Portugal Ronald aguarda pacientemente que o Benfica se decida a formalizar a contratação, apesar de reconhecer que a onda de lesões de que tem sido vítima não tem ajudado muito. Porém, agora que faz parte dos quadros dos encarnados, as possibilidades de um dia ser chamado à "casa mãe" aumentam"
Record, 9 de Junho de 2003
"Ronald Garcia admitiu, ontem, que assinou um contrato de cinco anos com o Benfica, e não de três, como foi revelado pelos responsáveis da Luz.O jogador boliviano rubricou um vínculo com os encarnados há duas épocas, tem estado desde então emprestado ao Alverca, mas espera integrar a equipa principal já na próxima temporada."Penso que tenho qualidade para ficar no primeiro plantel do Benfica, espero demonstrar isso ao "mister". Assinei um contrato de cinco anos, espero cumpri-lo e demonstrar o meu valor. Vou trabalhar para ficar. Sou um jogador de luta, de remate forte", explicou à chegada da selecção boliviana a Lisboa.
"Record, 29 de Outubro de 2003
entrevistaR – "Recusa então a ideia segundo a qual o Benfica só mudou de credores, segundo a qual deixou de dever a fornecedores para dever à banca?"LFVQuanto muito deixou de dever a "off-shores"… Hoje o que é importante é que é tudo transparente. Está tudo no Relatório e Contas. Qualquer sócio, qualquer accionista pode saber onde está o endividamento do Benfica. Não podemos é esquecer que o clube está em fase de investimento e não de desinvestimento. Aquilo a que apelamos não é à criação de mais-valias desfazendo-nos de activos. Não é a criar mais-valias em jogadores que resolveremos o problema. Isso passa por um projecto que já é conhecido de todos, que é o do cartão de sócio que queremos lançar, através do qual pensamos que conseguiremos aglutinar a família benfiquista. E quando não temos as mesmas opiniões, é importante que elas sejam debatidas internamente. As pessoas, quando se candidatassem, deviam tentar saber o que iam encontrar. E então poderiam dizer que alternativas tinham. Mas o que tenho ouvido é que se contratou o Rui Costa, que se contratou o Júnior, o Fabiano. Do outro lado é a gestão, a gestão, a gestão. É o Peixe, o Ronald Garcia. Não é uma abordagem séria. Por isso, quem a fez, será seriamente penalizado.
"O Jogo, 9 de Junho 2007"
Tal como O PATO vinha discretamente anunciando, anda para aí um caso muito curioso no futebol português. Tendo a ver com Ronald Garcia que, na sequência da venda pela Alverca-SAD de Mantorras ao Benfica, a mesma Alverca-SAD comprou por perto de 1,5 milhões de euros (dinheiro esse que terá saído da referida SAD em “cash”) ao Clube Bolívar, para de resto lho emprestar logo de seguida: acto 1. Acto 2: o Benfica compra Ronald Garcia à Alverca-SAD, mas também para emprestá-lo ao seu clube de origem e, em seguida, a um outro clube boloviano. Acto 3: Ronald Garcia regressa à Luz, onde tem contrato até 2008. Mas, sem que tenha tido conhecimento do teor do negócio entre o Benfica e o Aris Salónica, e muito menos rescindido com o dito Benfica, assina por dois anos um contrato de trabalho com o clube grego, onde presume estar por empréstimo do seu verdadeiro patrão. Só que - O PATO repete - sem ter entretanto rescindido o seu contrato com o Benfica, apesar de a Federação Portuguesa de Futebol ter pelo visto emitido um certificado internacional permitindo-lhe jogar nos estrangeiro. Conclusão: o jogador fez apelo a um advogado - António Pragal Colaço - para tentar deslindar a questão e projecta apresentar-se na Luz durante o actual período de defeso, como entende que é a sua obrigação. "

Actualmente Ronald Garcia joga como médio defensivo no Aris FC da Grécia ao lado de Koke (ex Sporting Clube de Portugal) e Ronaldo (ex rosinhas).

Trabalho de pesquisa do blog quatroquatrodois.blogspot

2 comentários:

Anónimo disse...

"Depois da vitória em Istambul, o FC Porto passou incólume em Coimbra, mantendo a distância para os seus dois adversários domésticos que desta vez venceram, voltando a ser bafejados pela sorte, porque se os erros de arbitragem que os favoreceram foram fortuitos e não intencionais, devem ser atribuídos à fortuna. Naturalmente, não se podia esperar que os beneficiados o reconhecessem, já que até o jogador mais inveterado só invoca a sorte para se queixar dela, e quando ganha na roleta prefere gabar-se dos seus dotes e da infalibilidade do seu método.
Bento viu-se às aranhas para não reconhecer que, o primeiro golo da sua equipa fora precedida de uma falta à qual o árbitro fez vista grossa e houve um dirigente do Benfica que, apesar do penalty poupado a Luisão, apareceu a lamentar-se da arbitragem, talvez por se lembrar de outras noites em que a roda também esteve a cargo do “croupier” Ferreira e a sorte foi ainda mais generosa.

O FC Porto também acabou por ter sorte, já que beneficiou de um dos penalties mais claros do ano. Foi uma ocasião rara porque, enquanto perdurar o “Apito Dourado”, os árbitros continuarão a recear assinalar qualquer penalty a favor do FC Porto e Elmano Santos tem sido sempre um dos expoentes máximos desse complexo. Desta vez, a falta foi tão evidente que a sua marcação dispensaria a patética conferência em que foi evidente o embaraço do árbitro madeirense, como se estivesse a cometer um pecado capital. Fiquei com a ideia que foi o assistente Marcelino quem assinalou a falta que Elmano nunca seria capaz de marcar mas, segundo conta Domingos Paciência, o assistente terá dito aos seus jogadores que a falta ocorrera fora da grande área, e por isso teria tentado evitar a sua marcação. Ficou sem saber, ao certo, a quem deva agradecer a bem-aventurança, mas se o treinador da Académica disse a verdade, tratou-se de mais um sintoma sério dessa terrível doença profissional que tem vindo a afectar os árbitros assistentes. Será um problema oftalmológico causado pelos intercomunicadores? Será que as ondas que emitem, que afectam o julgamento, também perturbam a visão? Vítor Pereira deveria aproveitar a paragem no campeonato para rever a situação, porque é inegável que os novos aparelhos não funcionam bem e só atrapalham o que já era difícil. Por isso, se ainda estiverem na garantia, talvez os possa devolver ou trocar por óculos de boa qualidade. É apenas um recurso mas, infelizmente, os seus impenitentes utilizadores não podem ser trocados."

JL_72 disse...

ESCÂNDALO NO ESTÁDIO DA LUZ
É um caso para a Liga Portuguesa de Futebol Profissional tomar medidas. Um emigrante português nos Estados Unidos e dois amigos gastaram 105 euros para entrar no Estádio da Luz e não conseguiram ver o último Benfica-Sporting. Pior: compraram bilhetes para três lugares que, no estádio, não estavam disponíveis. Acabaram por ficar acantonados junto a uma claque e, no final, estiveram retidos no estádio mais de uma hora. Um escândalo que o LEÃO DA ESTRELA revela, em primeira mão, publicando a carta onde Manuel Parente, que é director executivo do DEN of LIONS SPORTS ACADEMY, Delegação do Sporting em New Jersey, nos Estados Unidos, relata o pesadelo que viveu no Estádio do Benfica no recente dérbi do centenário.

“Sobre o Benfica-Sporting, estive lá, mas não vi o jogo... Apanhei uma molha e, quando cheguei ao meu lugar, o sector estava anulado e interdito ao público, por motivos de segurança! Parece que os benfiquistas e os sportinguistas são uns animais... Exigi um lugar para ver o jogo e disseram-me para ir reclamar ao Benfica ou ao Sporting!
Acabaram por me colocar num sector que estava reservado às claques que mais parecia uma jaula. Barafustei e nada! Nem sequer me deixaram sair para ir para casa. Só no final do jogo e depois de estar já vazio, ou seja cerca de 1 hora depois!
Foi um autêntico atentado à inteligência e aos direitos de um ser humano. Quem foram os responsáveis? Não sei. Comprei três bilhetes por 105 Euros e limitei-me a espreitar por uma nesga de uma grade de ferro.
Consegui abandonar o estádio no final do jogo porque consegui contactar um oficial da PSP e exigi a presença do Cônsul dos Estados Unidos, pois sou naturalizado americano e, como cidadão e ser humano, foram violados os meus direitos. Nunca na minha vida me aconteceu uma coisa destas num campo de futebol. Uma autêntica vergonha. Agora compreendo porque é que os portugueses estão cada vez menos a ir ver futebol aos estádios!
Responsabilidades? De quem?
Comprei três bilhetes emitidos pela Liga Profissional de Futebol no Estádio da Luz para ver um jogo de futebol. Não o vi nem os meus acompanhantes e ainda fui tratado como um cão daninho. Seria por sermos do Sporting? Afinal verifico que há racismo pelos emigrantes no futebol português e principalmente por aquele grupo denominado Prossegur, um grupo sem o mínimo de preparação e educação para lidar com o público. Pedimos a presença de responsáveis do Benfica ou da Liga. Procurámos comprar outros bilhetes noutros sectores e a resposta deles era apenas esta: “Este sector está fechado ao público! Estamos a seguir ordens!” E diziam isto com um certo ar de gozo, incluindo um a quem chamavam “chefe”! Nunca patentearam um pouco de parte humana nem procuraram ajudar quem se deslocolou de Newark, N.J. para assistir a um jogo de futebol. Um autêntico grupo de pessoas sem qualquer nível de educação ou preparação a quem chamam seguranças.
Assim, não! Nunca mais porei os meus pés no Estádio da Luz! Entendo que, se houvesse necessidade de anular um sector, deveria ser imediatamente providenciados lugares para as pessoas que já tinham comprado os bilhetes. O Estádio não estava esgotado. Haviam grandes clareiras em vários sectores. Porque não fomos transportados para lá? Para mim basta!"