segunda-feira, 9 de março de 2009

Ex presidente da agremiação

O ex-presidente do Benfica é suspeito de ter esmurrado Juliana Boncristiano num aparthotel em Sagres. O Ministério Público de Lagos acusa-o de um crime punível com três anos de prisão.Conheceram-se em Barcelona, depois um Espanhol-Benfica que acabou com a carreira dos 'encarnado's na Taça UEFA, em Março de 2007. Juliana Boncristiano era bailarina profissional num bar e Manuel Vilarinho convidou-a para umas mini-férias no Algarve. "Eu faço strip, ele viu e insistiu muito para eu vir a Portugal. Como era casado, tinha de ser no Algarve. Aceitei", disse ao Expresso.A 24 de Abril de 2007, às quatro da manhã, a GNR de Sagres foi chamada a um aparthotel para resolver uma queixa de agressão. A mulher foi levada ao hospital. O homem não foi detido porque não houve flagrante delito. De acordo com a acusação do Ministério Público de Lagos, "Manuel Vilarinho desferiu em Juliana Boncristiano um número indeterminado de socos que a atingiram na cabeça e nos membros superiores, causando-lhe dores e equimoses no ombro direito e no braço esquerdo".O presidente da Assembleia-Geral do Benfica é acusado de ofensa à integridade física simples, punível com três anos de prisão ou multa. Depende da queixa e só haverá condenação em tribunal se ficar provado que Vilarinho foi o primeiro a agredir.Juliana, que entretanto voltou a Espanha e diz ter deixado o mundo da noite, garante nada ter feito para provocar as agressões: "Fomos jantar fora com um casal amigo e o Manuel Vilarinho bebeu bastante. Pediu-me para levar o Mercedes e, ao estacionar, uma pedra bateu no fundo do carro. Ele ficou furioso e começou logo a discutir. Parece uma pessoa normal, mas fica transtornado com a bebida".A discussão foi ouvida pelo vigilante do aparthotel. "Só sabemos o que se passou fora do quarto, lá dentro não sei", descreve um responsável do aparthotel."Quando chegámos ao quarto começámos a discutir e ele agrediu-me. Deu-me empurrões, socos e não me deixava sair do quarto. Só não me bateu mais porque me defendi. Fui ao carro dele buscar uma daquelas armas que dão choques e chamei a Polícia", conta Juliana, que apresentou queixa e voltou a Espanha."Recebi ameaças para não ir com isto para a frente, mas não podia desisitir. O meu pai e a minha mãe nunca me bateram e não admito que encostem a mão em mim", relata a cidadã brasileira.Durante dois dias o Expresso tentou contactar Manuel Vilarinho, que teve sempre o telemóvel desligado.»

5 comentários:

Anónimo disse...

Carolina desmente-se a si mesma
MUITAS INCOERÊNCIAS EM LONGO INTERROGATÓRIO DE ADVOGADO DE PINTO DA COSTA








Augusto Duarte já esteve presente esta manhã no Tribunal de Vila Nova de Gaia e disse que já está disposto a falar mas só depois de Carolina terminar de ser ouvida. A ex-companheira de Pinto da Costa chegou já com a sessão a decorrer e foi sujeita a um longo interrogatório por parte de Gil Moreira dos Santos, advogado do presidente dos dragões, durante o qual entrou várias vezes em contradição em relação a pormenores que revelou no livro e também na fase de instrução do processo.

Gil Moreira dos Santos quis saber onde se encontrava no momento em que o encontro entre Pinto da Costa e Augusto Duarte se deu e Carolina teve muita dificuldade em apresentar uma versão coerente. A própria juíza não pareceu satisfeita com as respostas dadas. Carolina justificou algumas incoerências, dizendo tratar-se de "forças de expressão".

Gil Moreira dos Santos disse que o que está a acontecer com Carolina é aquilo em que em criminologia se designa telescoping, ou seja a testemunha revela uma maior precisão dos factos à medida que estes se distanciam do tempo.

Carolina chegou a dizer que o corredor da casa onde vivia com Pinto da Costa "fazia parte da sala" para justificar que esteve sempre presente durante o encontro com Augusto Duarte.

Esta tarde deverão ser ouvidos Augusto Duarte e os peritos de arbitragem Jorge Coroado, Vítor Pereira e António Araújo

in record

Anónimo disse...

Quinta-feira, Outubro 16, 2008
A MENSAGEM DE ANA SALGADO

Não sou partido, nem movimento de opiniões. No entanto, os factos falam por si. É uma nódoa que me atormenta a alma. Não fosse a pessoa, em evidência, tão próxima e ao mesmo tempo distante (diferente). Alguém com duvidoso passado, marcado por atitudes rebeldes e até mesmo insubordinadas. É hoje, considerada figura pública e merecedora de credibilidade. Não fosse o mesmo ser, útil para de quem, a dispõe. E falo mesmo em certos elementos com significado na justiça judicial. Acreditem, que particularmente ainda acredito na justiça. Embora, e é como em tudo, discorde como a fazem e dispõem. Entendo que, neste sector, como em tantos outros, há ‘inimigos com rosto’. Vá-se lá entender, o certo é que lá estão. Poderiam talvez abandonar o cargo se assim entendessem. Há momentos, na vida, em que o melhor é abandonar o barco; o que não nos torna em nada cobardes. Simplesmente fazê-lo por consciência. Acontece muitas vezes, e não significa que o seja de forma propositada, o facto de, remarmos em nossa feição. Por isso, já os sábios diziam que os ventos enganam. Dediquem-se à feitura de livros. Não é o que está na moda? Eu até elaborava o título, se o entendessem. Que vos parece, ‘O inimigo com rosto’.Teria todo o gosto, em redigir o prefácio. Aceitando mesmo propostas. Em suma, e porque as ‘fotos’ falam por si… Alguém muito singular, perceberá um dia, que este pretensioso protagonismo irá resultar num emaranhado de si-tuações desagradáveis. Há a meu entender, um dominador comum e centralizado, que remete para o erro. Sejamos capazes de, assumir os erros quando de facto eles existem. Pois cada vez mais, se vê a falta de valor, do saber, que vai para além da racionalidade. Valor do saber, da experiência adquirido, a meu entender, o que se adquire por mérito e honra. E este entendimento, tão sublime e humano, está em cada um. Basta parar, reflectir e encontrar. (Se de bem me encontrasse com o meu PAI, ao ler-lhe o meu texto ele diria; como em tempos: “Ó Ana Maria isso para mim cheira a letra de música”.) Sou pessoa de bem, como tal não me coíbo de o fazer. Às pessoas do meu sangue, apenas concluo que devem reflectir. Parar no tempo (esse bem tão precioso) e observar quem afinal se esconde atrás do pano. Quanto ‘ás nódoas na alma’ caros leitores, tratem-nas sempre da maneira mais sublime. Pois são sempre o patamar da solidariedade e dos afectos.
in O GAIENSE


Será que esta senhora já esqueceu do que escreveu, recentemente???!!!

O FCP, saberá disto???!!!

Anónimo disse...

Perto do fim
Publicado por CAA em 10 Março, 2009

O processo ‘Apito Dourado’ está a chegar ao fim. Após um vendaval mediático, zangas entre magistrados, posições públicas do PGR, arquivamentos e reaberturas, uma equipa especial de investigação, uma espécie de ‘livro’ e uma coisa que dizem ser um ‘filme’, muitas e muitas centenas de milhares de euros esbanjados e, para cúmulo, depois de terem cilindrado o Boavista e de fazerem do caso a (única?) base estratégica da actuação “futebolística” de um clube da capital, o saldo provisório é ridículo.
Ontem, a testemunha-chave de toda a arquitectura do imbróglio meteu os pés pelas mãos. Entrou em contradições sucessivas. Mostrou à saciedade que não sabe o que diz nem quando é ensinada - o ponto alto deu-se quando estava a ser interrogada em tribunal acerca da contradição entre as suas diversas versões dos factos e a ‘escritora’ respondeu: «Vendo as notas, foi o que me pareceu… O problema foi o inspector não ter escrito que o Jorge Nuno me falou desse valor…».
Claro que isto não importa nada aos que têm a certeza de tudo o que diz respeito ao Futebol Clube do Porto. Esses, quase todos, continuarão a dizer o que já diziam e a recitar o caso, o ‘livro’ e o ‘filme’ como evidências insindicáveis. Não ligarão nenhuma ao veredicto dos tribunais. Nem ao dos órgãos da UEFA. Continuarão à espera que a pseudo-justiça desportiva que temos persevere na vindicta, sem factos e contra o direito. E jurarão que as suas derrotas e as vitórias dos outros são fruto de sinistras conspirações e de ínvias campanhas negras. Ou douradas.

Confesso que isso já não me importa muito. Esses milenarismos só iludem quem deles padece. E, ao invés, favorecem quem tem os pés bem assentes na realidade. Nós, portanto, continuaremos a ganhar. Porque o merecemos. Os iludidos não. Esses, continuarão a carpir e a clamar por homens providenciais, milagres e medidas salvadoras, que os indultem de serem como irremediavelmente são.

Blasfemias

Tripeiro Conbictu disse...

O teu blog é genial! É cada pérola que encontramos aqui... .
Continua a revelar os podres dos lampiões...divirto-me imenso com o teu blog... . Já sabíamos que o Gostadevinho gostava muito de vinho, mas bater nas brasileiras?!?!? E eu que pensava que lá em baixo os gajos não iam a bordeis, e muito menos pensava que gostariam de fruta deste tipo.
E esta hein?!?!?

Anónimo disse...

Como ele diz e TEM RAZÃO estou-me cagando para eles todos , bem feita ..